Reivindicação para segurança no Trevo da Penitenciária Continua. Representantes estiveram na PRF em Leopoldina

Os representantes, Wilson Rodrigues Pascoal, Marlei Peçanha e “Tão Pé no Chão” e o Inspetor Chefe da PRF, Américo Cabral e Inspetor Rodrigo Ladeira (Chefe do Núcleo de Policiamento)

Moradores representando a comunidade rural de São João do Glória (município de Muriaé) e também usuários da BR-356 qua transitam pelo Trevo da Penitenciária Regional, na área urbana, estiveram reuunidos com a chefia da Polícia Rodoviária Federal de Leopoldina nesta quarta-feira (23). 

Os representantes, Wilson Rodrigues Pascoal, Marlei Peçanha e “Tão Pé no Chão” foram recebidos pelos Inspetores Américo Cabral (Chefe da 7ª DPRF) e Rodrigo Ladeira (Chefe do Núcleo de Policiamento da 7ª DPRF), e na ocasião foi feita a exposição dos constantes acidentes naquele trecho. 

O Inspetor Américo Cabral esclareceu que a redução da velocidade no local, seja por meio físico (redutor de velocidade) ou eletrônico (radar) e também, em conjunto, um melhor acesso para os condutores de veículos, são justas reivindicações da comunidade. 

“A motivação dessa visita são os acidentes ocorridos no sentido Espírito Santo/Muriaé. Nos últimos 4 anos (2013/2016) ali foram registrados 12 acidentes com 11 feridos leves e 1 ferido grave. Naquele trecho há um declive acentuado que termina em uma curva, exatamente no local de acesso à Penitenciária. Como existem algumas comunidades próximas e o volume de trânsito de veículos e de pedestres é bastante intenso, o local é recorrente em acidentes. 

Queremos reunir a PRF, o DNIT e o Poder Municipal para encontrarmos, em conjunto, uma solução”, disse o Inspetor Américo Cabral ressaltando que trata-se de uma parte que pertence ao município de Muriaé que é considerada urbana, portanto, quer reunir a PRF, o DNIT e o Poder Municipal. 

MANIFESTAÇÃO FEITA NO LOCAL NO DIA 16 DE AGOSTO

Ver Mais Notícias


3 Comments

  1. A ponte do  Rio Glória  perto do trevo , é também um perigo , muito estreita , feita a mais de  60   anos, quando passava  poucos carros. Agora , com carretas e ônibus largos , fica perigoso o tráfego de charretes, carroças , e até transeuntes . O certo,   seria alargá-la  , tipo mão francesa , diminuindo assim o perigo .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *