CORONAVÍRUS EM MURIAÉ: DO PRIMEIRO CASO SUSPEITO AO MILÉSIMO CONFIRMADO

REPORTAGEM ESPECIAL – MURIAÉ-MG

A imprensa já falava a algum tempo da doença coronavírus que se espalhava pela China com milhares de infectados e mortos. Mas Muriaé ficou alerta mesmo com a aparição de seu primeiro caso suspeito da doença, no dia 11 de março, sendo oficialmente anunciado pela Secretaria Municipal de Saúde, no dia 12, e aí tudo passou a não ser mais como era antes.

“No dia 11 de março fomos informados na Escola São Paulo, por parte da Prefeitura, que havia uma menina que tinha voltado de férias, a família havia feito um passeio na Europa, e a avó veio resfriada, gripada. A criança também havia contraído gripe e como naquele momento, as pessoas falavam sobre o vírus, que estava presente lá fora e poderia ser trazido ao Brasil pelas pessoas que viajavam, e por ser uma coisa nova, houve um pânico, mas a menina não contraiu o coronavírus, o que foi comprovado posteriormente.

Hoje é mais comum ficar sabendo que a pessoa teve a doença, se recuperou, autoridades também são vítimas e comunicam; claro que é uma doença grave, mata muita gente, mas quando se fala das pessoas contaminadas, não tem mais aquela surpresa, aquele pânico, como na ocasião.

Na escola ficamos apreensivos, mas a Secretaria de Saúde de Muriaé foi muito ética, fez acompanhamento na escola e na família, e graças a Deus tudo correu bem, a menina estava bem de saúde e não era o COVID 19”, disse o diretor da Escola São Paulo, José Nicodemos Couto.

No dia 12 de março a Secretaria Municipal de Saúde, através do secretário de Saúde, Dr. Paulo César de Oliveira e do médico infectologista, Dr. Daniel Licy, anunciaram oficialmente, através de Live, este caso suspeito. A equipe ressaltou que a escola onde a criança estudava foi visitada para orientações gerais e cumprimento de protocolos que o caso requeria, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) e Ministério da Saúde. Disse que não havia motivo para alarme, bem como a necessidade de suspensão das aulas. E ainda, que a população deveria ficar atenta às orientações oficiais apenas. No dia 17, veio o resultado do exame: a menina testou negativo para coronavírus.

A partir daí, a cidade e o estado de Minas já foram envolvidos com relação à Pandemia do Coronavírus, com casos suspeitos e confirmados. No dia 13, a Federação Mineira de Futebol determinou jogos sem público, inclusive o do dia 14, Nacional de Muriaé x Tupi. No dia 15/03, o Campeonato Mineiro de Futebol, Módulo A e B, foi suspenso e continua. Todos os órgãos públicos do estado passaram a suspender ou restringir seus serviços. Quase 120 dias, depois muita coisa não normalizou ainda.

Em Muriaé, os casos suspeitos foram aumentando e a cidade praticamente fechou no dia 23 de março, com funcionamento apenas de serviços essenciais, durante longo período. O Terminal Rodoviário ficou com cerca de 10% de sua operação devido as restrições nos municípios mineiros e de outros estados. A cidade virou um deserto naquele momento, cenas às vezes vistas somente em feriados prolongados.

No dia 29 de março Muriaé entrou para as estatísticas do Estado de Minas Gerais, tem seu 1º caso confirmado de coronavírus.

Veja a ordem dos casos e das mortes ocorridas no município de Muriaé:

11/03: 1º Caso Suspeito; 29/03: 1º Caso Confirmado (uma mulher de 50 anos de idade); 28/04: 10 Casos Confirmados; 21/05: 100 Casos Confirmados; 02/07: 1.000 Casos Confirmados.

10/05: 1ª Morte por Coronavírus no município de Muriaé (um homem de 49 anos de idade); 01/06: 10 mortes; 17/06: 21 mortes; 30/06: 33 mortes; 02/07: 44 mortes.

Apesar da liberação quase que da maioria dos setores recentemente, há 15 dias a cidade funciona com restrições parecidas com as de março, apenas serviços essenciais. Os pronunciamentos do Comitê Gestor passou a ser às quartas-feiras, e a cada mudança, novas avaliações. O próximo pronunciamento deve ocorrer entre este domingo e a segunda-feira.

Ver Mais Notícias


3 Comments

  1. “Morra quem morrer”, é mais fácil fechar um caixão do que fechar uma loja. É isso que a gestão da cidade diz aos muriaeenses nas entrelinhas. O resultado está aí, uma verdadeira tragédia! Só espero que os responsáveis sejam punidos, pois foram ineficientes, ineficazes e irresponsáveis!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *