25 de Outubro é o Dia Nacional de Combate ao Preconceito a Pessoa com Nanismo

Todo o Brasil comemora neste domingo, 25 de Outubro, o Dia do Nanismo, e vem sendo assim desde julho de 2017. Neste fim de semana, um muriaeense entrou em contato com nossa reportagem sobre a divulgação desta importante data e ainda enviou algumas informações. Combater o Preconceito é a finalidade.

O que é Nanismo?: É ser pequeno. É o nome genérico dado para qualquer condição que implique em baixa estatura importante. Menos de 1,40m para mulheres e menos de 1,45m para homens. Acontece em média 1 caso a cada 25.000 nascimentos. Só foi reconhecido como deficiência física no Brasil em 2004.

Existem tipos diferentes?: Sim. Existem mais de 400 tipos de nanismo, com vários subtipos. Tem Cura?: Na grande maioria dos casos NÃO. Alguns tipos são causados por questões hormonais só nesses casos, o uso de hormônio de crescimento faz efeito.

Só quem tem algum caso na família pode ter filhos com nanismo?: NÃO! 80% das pessoas com nanismo são filhos de pais com estatura dentro da média da população.

Posso chamar de Anão: A maioria das pessoas com nanismo NÃO gostam de serem chamadas de anão. Então, como você não quer magoar ninguém, diga “ele/ela tem nanismo” ou “é uma pessoa com nanismo”.

Quais os maiores desafios de quem tem Nanismo:

• Preconceito: as pessoas com nanismo vêm sendo usadas como atração cômica ou grotesca há muitos anos. Muitas piadas e até programas de TV os tratam com desrespeito e isso gera situações constrangedoras no dia a dia deles.

• Acessibilidade: a baixa estatura faz com que atividades simples do dia a dia complicadas para eles. Alcançar pias, balcões, prateleiras de supermercado, botoeiras de elevador são alguns exemplos.

Falta de médicos especialistas que entendam de nanismo.

Falar abertamente sobre o assunto que até pouquíssimo tempo atrás era um tabu e espalhar informação, acreditamos ser a maior arma contra o preconceito.

Ver Mais Notícias


One Comment

  1. Obrigada, Silvan por compartilhar essas importantes informações. Nós enquanto pais de uma criança de 3 anos com acondroplasia, o tipo mais comum de nanismo, acreditamos que não há outro caminho para vencermos o preconceito do que espalhar informação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *