FEMUR 2022 chega ao seu 2º dia. Evento nacional movimenta a cidade moveleira de Ubá

O primeiro compromisso dos visitantes na terça, 24, segundo dia do evento, foi no auditório do Intersind com o “1º Encontro Nacional de Lojistas”. O evento contou com palestra e bate papo entre lojistas e representantes de grandes empresas do país, como Mário Gazin, fundador do grupo Gazin, que falou sobre as mudanças no mercado nos últimos anos e o impacto da pandemia de covid-19 no varejo. “No Brasil, em qualquer crise, quando fecha a porta, o empresário pula a janela. Ele arruma uma saída. Não fique esperando melhorar, busque serviço, busque a solução que a gente acha”, orienta Gazin.

Quando questionado sobre o cenário atual, permeado por uma crise econômica e que tem como pano de fundo a pandemia de covid-19, o empresário diz que viu mudanças intensas, mas que os novos hábitos de compra do consumidor mantém o varejo com muita relevância. “Nos últimos dois anos, nós vimos um país pobre e um país rico de um dia pro outro. E que o varejo é uma máquina que não para, funciona até sem combustível. A gente estava com 180 lojas fechadas e vendendo mais do que com loja aberta. Em toda a minha vida, foi a maior transformação no mundo que eu já vi. Todo mundo falando que é crise, e eu não to vendo essa crise”.

A abertura do pavilhão da feira aconteceu às 14h, com a presença de cerca de 2500 pessoas para conferir as novidades dos 85 expositores que participaram do evento. Durante a tarde, aconteceu o “Projeto Inovação”, um evento com o tema “Trilha do Mobiliário”. Às 17h, foram entregues as premiações do 4º Prêmio Design Sustentável.

Saiba mais detalhes da premiação… Clique em “Leia Mais”.

O produto vencedor foi Escrivaninha Gaveteiro 2 em 1, da Itatiaia, que esteve em todos os pódios da premiação até hoje, sendo esse o seu segundo título. O projeto foi desenvolvido pelos estudantes Douglas Silva, Guilherme Reis, Beatriz Silveira e Francisco Caneschi. Eles desenvolveram um projeto com substituição da matéria-prima original por produtos reaproveitáveis, “fizemos um processo de design, desenvolvemos várias gerações e, com base em pedidos da empresa e nossas ideias, modelamos uma solução final e criativa que satisfizesse tudo o que queríamos”, explica Guilherme. Para Beatriz, a parte mais impactante foi fazer parte de um projeto em uma empresa tão grande quanto a Itatiaia, o que aumentou a ansiedade, mas também o estímulo “foi uma grande responsabilidade por ser uma empresa, do tamanho que é a itatiaia, porém tivemos muito apoio da empresa no desenvolvimento do produto”, disse.

A segunda colocação ficou com o projeto Berço Mini Cama Flora, da Carolina Baby. O produto foi desenvolvido pelas estudantes Nádia Carvalho e Laila Cardoso. Elas nunca haviam participado de um concurso como esse, e se surpreenderam com a boa colocação. “Foi a primeira vez que participamos de um concurso assim, foi de muita importância e muito aprendizado, pudemos colocar em prática tudo que aprendemos na faculdade”, ressaltou Nádia. Já Laila lembrou do esforço que elas fizeram para conquistar esse segundo lugar: “foram três meses bem corridos e bem árduos. Vários dias e várias noites de dedicação, mas ficamos bastante satisfeitas com o resultado”

A terceira colocada foi a poltrona Lapela, da Suprema Estofados. A empresa participou pela segunda vez da premiação e, pela segunda vez, conquistou o terceiro lugar. O projeto deste ano foi desenvolvido pelos estudantes Billy Fadel, João Herbert e Neurimária Soares, e substituiu diversos materiais por produtos mais sustentáveis, como couro, madeira, metal e tecidos. O diretor da empresa, Saulo Meireles, diz que as inovações sempre fizeram parte da história da Suprema Estofados, e que o prêmio vem coroar essa atitude. “A gente vem trabalhando sempre o lado de inovações da empresa, com releituras de coisas que já temos no mercado e que são bem aceitas, fazendo mudanças que refletem nosso jeito de trabalhar”. Ele ressaltou que os produtos precisam ter funcionalidade para serem bem aceitos e que design, apesar de essencial, não pode ser a única característica de um objeto. “Não criamos produtos apenas para estética. Tem que ser usual, tem que ser vendável”, disse ele.

A Femur continua até a próxima quinta e conta com uma programação durante a manhã até a noite. Pela manhã, na quarta, acontece o encontro #VemPraMinas #VemPraUbá, com um networking entre empresários do setor moveleiro e empresas de fornecimento de insumos para a indústria. Na quinta o encontro é com as principais empresas de vendas on-line do país, como Mercado Livre, Tok&Stok e Madeira Madeira. Todos os dias, o pavilhão de eventos da Femur 2022, onde fica a exposição da feira, abre às 14h e a feira acontece até às 21h.

Ver Mais Notícias


5 Comments

    1. A FEMUM NAO E ABERTA AO PUBLICO . SOMENTE PROFISSIONAIS DA AREA .FORNECEDORES E FABRICANTES. PORTANTO TRATA SE DE UMA FEIRA PROFISSIONAL. AGRADEÇO A PERGUNTA.

  1. parabens ao silvan pela competente reportagem sobre esta profissional feira de moveis de ubá .onde movimenta a economia local com hoteis com 100% de ocupaçao ,bares,restaurantes enfim uma alavanca que tem reflexos no faturaamento em um futuro i bem proximo . este e um bom exemplo para muriae com seu polo de moda .

  2. EM TEMPO ESTA INICIATIVA PARTE DE EMPRESARIOS SEM DEPENDENCIA DE POLITICOS E POLITICA. DESTA MANEIRA A COISA ANDA!!! A PREFEITURA TEM PARTICIPAÇAO IMPORTANTE MAS RESSALTO QUE OS EMPRESRIOS QUE DETEM AS REDEAS DESTE PROCESSO…

  3. Cidade crescendo do jeito que tá, inúmeras indústrias, muito emprego,deve arrecadar muito em imposto.
    Estar abandonada do jeito que tá.
    Andar pelas ruas da cidade tá pior que andar na zona rural.
    Só buracos acaba com o carro da gente que tá sempre ali na batalha.
    A administração atual só visa ganhar dinheiro, nada de investir em melhorias.
    Quando faz fica tão ruim que qualquer chuvinha destrói.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *